Óleos essenciais – O que são e quais os seus Principais benefícios!

Muito se tem falado, nos últimos anos, sobre os benefícios e propriedades dos óleos essenciais. A popularização de práticas como a aromaterapia, que utiliza esses compostos para diminuir o estresse, a fadiga, dores de cabeça e outros estados emocionais, o Reiki e as massagens relaxantes tornaram o óleo essencial mais conhecido popularmente.

Contudo, a aplicação dessas substâncias deve levar em consideração algumas informações importantes para garantir que os benefícios sejam aproveitados da melhor maneira possível.

Existem algumas categorias que buscam dividir os óleos essenciais para indicar ao consumidor as suas aplicações mais adequadas. Assim, essas especificações devem ser observadas antes de colocar o óleo sobre a pele, por exemplo, ou fazer usos internos.

Entenda, a seguir, as principais características dos óleos essenciais, como podem ser utilizados, suas propriedades, benefícios e contraindicações. Vamos lá!

O que são óleos essenciais?

Óleos essenciais - O que são e quais os seus Principais benefícios

Os óleos essenciais são compostos orgânicos que se destacam, principalmente, pelo seu perfume intenso e propriedades medicinais e terapêuticas. Eles podem ser extraídos de diversas partes da planta. O melhor método, entretanto, depende da espécie do vegetal e do uso que se pretende fazer. 

A utilização dos óleos essenciais é bastante ampla e contempla diversos fins. A aplicação para tratamentos estéticos, por exemplo, é uma prática milenar, datada desde os tempos da rainha Cleópatra, além do uso em rituais religiosos e práticas médicas.

A consistência dessa substância é, geralmente, leve e aquosa. Todavia, alguns tipos específicos, que são mais viscosos, podem se solidificar em ambientes frios, tornando-se parecidos com uma manteiga vegetal. 

Além disso, podem ser dissolvidos em álcool e outros compostos insolúveis. As cores, texturas e viscosidade podem variar muito, indo de tons transparentes e opacos até escuros e mais consistentes. 

Outra característica interessante dos óleos essenciais é sua propriedade volátil, que permite a evaporação do líquido. Assim, uma das aplicações mais recorrentes é a aromaterapia, técnica que aplica os aromas vegetais para fins terapêuticos diversos. 

O método de obtenção pode variar muito, entretanto, o mais comum é a prensagem de sementes, sobretudo, das plantas oleaginosas. Em seguida, o líquido é filtrado para que as suas propriedades sejam conservadas. Durante o uso, a aplicação pode ser feita com essa substância pura ou combinada com outros óleos e substâncias. 

O que torna esse ingrediente tão versátil são as suas propriedades ricas em vitaminas e nutrientes. O uso para hidratação da pele, cabelos e unhas é extremamente benéfico, pois a pele absorve muito bem o óleo sem deixar que o aspecto superficial fique excessivamente oleoso. 

É uma das melhores formas de tratamento terapêutico, medicinal e estético para as pessoas que buscam se livrar do excesso de química sintética e apostar em componentes naturais, livres de conservantes e parabenos, sem corantes e totalmente vegano. 

Diferenças entre óleos essenciais e essências

Muitos conteúdos divulgados nas plataformas online utilizam os termos “óleos essenciais” e “essências” como se fossem sinônimos para os mesmos compostos. Todavia, existem diferenças bem significativas entre os dois. 

Características dos óleos essenciais 

Como nós já mencionamos, os óleos são substâncias voláteis. Porém, vamos enriquecer ainda mais essa definição para demarcar as divergências entre os dois conceitos.  

Os óleos essenciais são líquidos concentrados de caráter hidrofóbico que são ricos em compostos vegetais aromáticos voláteis. Assim, podemos dizer que se trata de um óleo com essências vegetais. 

Alguns deles podem ser aplicados direto na pele, cabelos, utilizados em massagens, tratamento de feridas, acnes, infecções, micose, infecções bucais etc. Logo, é um produto de utilização mais prática e completa quando comparado à essência. 

Características das essências 

As essências, por outro lado, têm como principal propriedade a aromatização. Dessa maneira, são usados em cosméticos, perfumes, alimentos, produtos de limpeza, entre outros. 

Os óleos essenciais também podem ser usados para os fins citados. Contudo, enquanto os primeiros são aplicados para o aproveitamento das suas propriedades e aroma, o segundo é mais restringido à sua característica aromatizadora e saborizadora. 

Quais as suas principais propriedades?

Óleos essenciais - Quais as suas principais propriedades

As propriedades dos óleos essenciais podem ser obtidas através da extração de flores, folhas, raízes, cascas e, sobretudo, sementes. As possibilidades para uso puro ou combinado são grandes. Todavia, é possível citar algumas das principais utilizações de uma forma mais resumida. Veja abaixo.

Anti-inflamatórios

Inflamações na pele, como a acne e a dermatite; bucais, como a gengivite; músculos ou feridas inflamadas, podem ser curadas com os compostos essenciais.

Exemplos: Alecrim, Citronela, Cravo, Menta, Cipreste, Limão siciliano e Manjericão.

Analgésicos

Machucados provenientes de quedas, luxação e torção podem se beneficiar de alguns óleos essenciais como o de capim limão.

Exemplos: Menta.

Desintoxicantes

Podem servir como desintoxicantes tanto para a pele, quanto para outras regiões do corpo, algumas até mesmo são indicadas para uso interno.

Exemplos: Grapefruit, Capim limão, Laranja, Bergamota e Sândalo.

Regulador de oleosidade

Geralmente, a oleosidade é o resultado da falta de hidratação ou nutrição na pele e no couro cabeludo. 

Assim, os óleos essenciais, que são ricos em proteínas e vitaminas, ajudam a regular a produção dessa gordura natural. Entretanto, há indicações específicas tanto para quem tem pele e cabelos secos quanto para quem sofre com o excesso de oleosidade.

Exemplos: Laranja doce, Bergamota e Abacate.

Estimulantes da circulação sanguínea

Nas aplicações conjuntas com massagens, o óleo essencial pode estimular a circulação sanguínea. A massagem capilar, por exemplo, contribui para o crescimento dos cabelos e para aumentar a absorção de nutrientes e vitaminas durante o cronograma de cuidados.

Exemplos: Alecrim.

Tonificante e relaxante muscular

Adotar hábitos e técnicas para manter a saúde dos músculos é indispensável tanto para quem pratica atividades pesadas, como o CrossFit, como para as pessoas acima dos 40 anos. 

Nesse contexto, o uso de óleos essenciais têm efeito tonificante, diminuindo os espasmos e cãibras, além de relaxar os músculos e os ligamentos e diminuir o desconforto, dor e rigidez.

Exemplos: Alecrim, Lavanda, Ylang-ylang, Gengibre e Zimbro. 

Antioxidantes

O combate aos radicais livres pode ser potencializado com a aplicação de óleos essenciais de uso tópico.

Exemplos: Alecrim e Ylang-ylang.

Antibacteriana 

O uso de alguns óleos essenciais críticos, como o de laranja e o de capim limão, são, comprovadamente, eficientes para tratar as lesões, feridas, inflamações e algumas doenças causadas por bactérias.

Exemplos: Citronela, Cravo, Eucalipto, Melaleuca, Canela, Cipreste, Limão Siciliano, Manjericão e Tomilho.

Fungicida e antiviral

Problemas extremamente incômodos causados por fungos, como a candidíase e micoses, podem ser tratados com óleos essenciais. Os virais também se enquadram neste aspecto.

Exemplos: Cravo, Capim limão, Melaleuca, Canela, Limão siciliano e Tomilho.

Regenerador celular 

Alguns compostos são especialmente eficientes para estimular a regeneração celular e a cicatrização de feridas.

Exemplos: Alecrim e Lavanda.

Expectorante

Descongestiona o sistema respiratório, elimina o catarro e alivia o desconforto causado por resfriados, alergias, entre outros.

Exemplos: Eucalipto, Lavanda e Limão siciliano.

Alívio de Cólicas

Óleos essenciais Alívio das cólicas

As dores dos períodos menstruais, assim como de outros sintomas relacionados, como o desconforto pélvico podem ser tratadas com algumas soluções compostas por um ou mais óleos essenciais.

Exemplo: Erva doce, Lavanda, Ylang-Ylang, Camomila e Sálvia.

Alívio de problemas digestivos

Flatulências, dores estomacais e no sistema digestivo são diminuídas com a aplicação de óleo essencial de erva doce, que é, de longe, um dos mais eficientes para esse fim.

Exemplo: Erva doce, Grapefruit, Lavanda, Menta, Camomila, Cipreste, Gengibre, Mandarina e Pimenta preta. 

Antirrugas e clareador

Quando se trata de estética, o óleo de Gerânio gera muitos benefícios para pele. Previne o surgimento de rugas e clareia, suavemente, manchinhas de sol, acne e outras.

Exemplos: Palmarosa, Amêndoas doces, Bergamota, Rosa Marrocos, Rosa Mosqueta e Tomilho.

Outras propriedades de alguns dos óleos citados incluem: mucolítico, antisséptico, lipolítico, repelente, desinfetante, parasiticida, germicida, adstringente, 

O que são óleos orgânicos?

Os óleos orgânicos são aqueles que não tem acréscimos de conservantes, corantes ou qualquer outro produto químico que possa comprometer as propriedades e eficácias das suas substâncias principais s e ingredientes ativos.

Além disso, são totalmente naturais. Essa definição é relevante para a discussão sobre os óleos essenciais devido ao fato de existirem as essências, como mencionados inicialmente, que podem ser sintéticas e não necessariamente orgânicas.

Os óleos essenciais também pode ser encontrados combinados a outros químicos, como álcool, ou em forma de soluções. Nesses casos, as chances de o produto ser orgânico também diminuem.

Uma marca que comercializa esse tipo de produto deve especificar todas essas informações e detalhes em seus rótulos e embalagens. Ademais, é importante ressaltar que os óleos são desenvolvidos para fins específicos. Logo, não são todos que podem ser aplicados sobre a pele, por exemplo, ou ingeridos via oral.

As instruções de uso devem especificar se o produto é adequado para ser utilizado como aromatizante, aplicado topicamente, internamente, além de especificações sobre se existe a necessidade de diluição do óleo.

Para quê é recomendado?

Óleos essenciais - Para quê é recomendado

As possibilidades de uso desses compostos são muito amplas e diversificadas. Algumas podem incluir: 

  • tratamentos capilares;
  • hidratação da pele;
  • fortalecimento das unhas e cutículas;
  • massagem facial, corporal e capilar;
  • prevenção de estrias durante a gravidez;
  • fortalecimento dos vaso sanguíneos e proteção contra varizes;
  • protege de rachaduras no pele, escurecimento e textura grossa nos joelhos e cotovelos;
  • combate e diminuição de celulite, marcas de cicatrizes e descamações, frieiras e psoríase;
  • Fortalecimento dos fios e nutrição do couro cabeludo, regeneração capilar e hidratação, desobstrução dos poros e proteção das glândulas sebáceas;
  • regeneração da pele, cicatrização de feridas, ressecamento e cortes, incluindo os cirúrgicos;
  • problemas digestivos e estomacais, flatulência, azia, gastrite;
  • cólicas menstruais, dores pélvicas, regulação do ciclo;
  • diminuição de dor, fortalecimento muscular, alívio de dor de cabeça;
  • depressão, ansiedade, fadiga, falta de apetite, falta de desejo sexual.

Quem deve evitar o uso?

Apesar das listas extensas que apontam as formas de uso dos óleos essenciais e todos os seus benefício, existem contraindicações que precisam ser conhecidas e consideradas antes de fazer uso dessas substâncias.

Por isso, é importante considerar a probabilidade de ocorrerem efeitos colaterais e, no caso de abuso, extrapolação da quantidade adequada ou uso de óleos que não são adequados para ingestão ou aplicação tópica, problemas sérios.

Esses cuidado se tornam ainda mais imperativos para as pessoas iniciantes e que testam a eficácia dos óleos em casa, sem a supervisão ou indicação de um profissional da área.

Primeiramente, é indispensável ressaltar que esses produtos são compostos vegetais ricos e super concentrados. Isso significa que cada óleo essencial tem inúmeras substâncias em sua composição. Não é porque se trata de um químico natural que ele não representa risco de intoxicação e alergia, por exemplo.

O óleo essencial de Cedro Virginia, por exemplo, só pode ser utilizado por mulheres gestantes e crianças em caso de recomendação médica. Já a Menta, é proibida para menores de 5 anos, pois as substâncias contidas nesse óleo pode causar alergias e outros problemas de saúde.

Segundo a toxicologia, qualquer substância tem o potencial de intoxicar uma pessoa se as formas de uso mais adequadas não forem respeitadas. Portanto, os riscos de intoxicação estão presentes quando:

  • a dose aplicada é superior à recomendada;
  • a concentração indicada não é respeitada, como nos casos dos óleos essenciais que precisam ser diluídos;
  • a administração inadequada, pois como já mencionamos ao longo do texto, os óleos essenciais são categorizados de acordo com o uso a que se destina, logo, um que seja recomendado para a aromaterapia, nem sempre pode ser usado topicamente.

Além disso, os efeitos colaterais serão proporcionais à duração da exposição, toxicidade das substâncias presentes no óleo e a quantidade e concentração do composto em relação à massa corporal.

Crianças pequenas

As crianças representam o grupo que mais precisa de cuidado em relação ao uso de óleos essenciais. Muitos tipos de compostos não podem ser usados com os pequenos e alguns, mesmo com o uso orientado, precisam de instruções específicas para não gerar riscos como o desconforto respiratório.  

O óleo de Bétula Doce, por exemplo, aplicado sobre a pele de crianças menores de 2 anos pode contribuir significativamente para o desenvolvimento da doença de Reye, um distúrbio que pode ser fatal.

Gestantes

Óleos essenciais - Gestantes

Outro grupo que precisa ter muito cuidado ao utilizar óleos essenciais são as gestantes. 

Para elas, apenas compostos totalmente naturais devem ser considerados. Ademais, alguns são contra indicados: Tomilho, Tuia Maçã, Sálvia Dalmaciana, devido à presença de algumas moléculas que podem provocar abortos.

Indivíduos com pressão alta ou baixa

Apesar de não existirem estudos científicos que comprovam que o uso de determinados óleos essenciais podem piorar o quadro clínico desses pacientes no longo prazo, a utilização pode representar riscos para a saúde.

Para os que têm pressão baixa, deve ser evitado o contato com os óleos essenciais de Lavanda, Jasmim, Rosas, Ylang-Ylang e Sálvia.

Já para aqueles com pressão alta, não é indicado o uso de compostos de Alecrim, Cânfora e Lavanda.

Alergias na pele

Se a alergia já é diagnosticada, a exposição aos óleos que contêm as substâncias causadoras devem ser evitadas. Se houver suspeita, a concentração das soluções de óleos essenciais deve ter no máximo 2% do vegetal do qual o indivíduo é alérgico.

Em casos de doenças renais, distúrbios hepáticos, epilepsia, asma e diuréticos, o uso deve ser feito com orientação médica, pois algumas substâncias presentes em alguns tipos de óleos essenciais podem afetar diretamente a saúde do indivíduo.

Por fim, é importante ressaltar que, para que você consiga aproveitar todos os benefícios dos óleos essenciais com segurança, sem se expor a potenciais riscos de saúde, a orientação com um médico ou especialista em óleos essenciais vai garantir mais eficiência e tranquilidade durante os tratamentos medicinais, estéticos e terapêuticos.

Espero que tenha gostado do artigo!

Quer saber mais sobre óleos essenciais e aromaterapia? Leia mais artigos clicando na figura abaixo.

Resultado de imagem para seta

https://e100cial.org/blog/
(Visited 7 times, 1 visits today)